Superbonita: “Meu Cabelo, Minha Alma”

 

Nesta segunda, 4 de setembro, foi ao ar o episódio do programa Superbonita, do Canal GNT, que gravei falando da vida de gris.

O programa foi sobre cabelos, teve como personagem principal a cantora Paula Fernandes e como histórias paralelas a minha e a da digital influencer Luiza Junqueira.

O programa ficou massa, você viu? Se não consegiu ver, não tem problema, é só clicar no link aí em baixo e assistir. ;)

https://globosatplay.globo.com/gnt/v/6127087/

Anúncios

Projeto Gris no Superbonita!

Hoje finalmente foi ao ar o episódio que gravei para o programa Superbonita, do canal GNT! Oba!
O programa ficou incrível! Fiquei muito feliz com o resultado!

As reapresentações são:
Terça 8:35
Quarta 18:00
Quinta 9:36
Sexta 04:30 e 14:00
Segunda 04:00

E assim que eles liberarem o video no site do canal eu posto aqui! ;)

Diz aí: você viu?

Ser gris é ser Superbonita!

UOL: “Revolução grisalha: como tirar os cabelos brancos do armário”

Daniela Carasco – Do UOL, em São Paulo – 19/08/2017 04h00

Os cabelos brancos estão na moda. Na TV e no cinema, celebridades como Cássia Kis, Helen Mirren e Vera Holtz ostentam seus grisalhos com muita personalidade. Fora das telas, eles também vêm se popularizando: cada vez mais mulheres têm tirado os seus do armário. E a decisão chega acompanhada de uma sensação unânime de liberdade.

A designer de ambientes e empresária Karla Giaretta, 48, decidiu pela transição há três anos. Dona de fios curtos, tingidos desde os 30 de castanho, ela concluiu que era hora de assumir sua “natureza genética”. “Tenho cabelo branco desde os 23. Arranquei muitos fios até começar a pintar. Sempre quis ser mais valorizada pelos meus atributos intelectuais e não pelos físicos. Ao assumir os brancos, deixei isso claro”, conta.

A mudança foi radical. Karla raspou a cabeça e decidiu esperar os novos fios crescerem de maneira natural. A transformação veio acompanhada de elogios femininos e muitas críticas masculinas. “Várias mulheres diziam que queriam ter a mesma coragem, já meus amigos homens me aconselhavam a cobri-los novamente. Antes, eu gastava no mínimo duas horas no salão. Agora, só lavo com produtos específicos e deixo secar ao ar livre. É libertador”, diz.

No senso comum, uma transformação como essa costuma ser relacionada a uma aparência envelhecida. Karla rebate: “Me deixou com uma feição muito mais delicada”. Para deixar o rosto mais marcado, recorre à maquiagem. “Sem falsa modéstia, me acho linda assim.”

Como nascem — e devem ser tratados — os fios brancos

O dermatologista e tricologista Valcinir Bedin, presidente da Sociedade Brasileira do Cabelo, explica que o branqueamento dos fios acontece à medida que as células produtoras de melanina morrem. “Nos negros é mais comum a partir dos 55 anos, entre os amarelos por volta dos 45, e nos caucasianos brancos depois dos 35”, diz.

Essa morte celular, segundo o especialista, abre espaço para o aparecimento de bolhas de ar, que no lugar da melanina deixam o fio mais grosso e poroso. Por isso, é importante usar xampu, condicionador e creme ricos em ativos hidratantes — como aloe vera, pantenol, ceramidas, colágeno, elastina e óleos vegetais.

Produtos específicos para cabelo grisalho são ótimos aliados. Eles costumam ter tonalidade arroxeada, que deixa o branco mais vivo e menos amarelado. “Evite lavá-los todos dias e não use xampu antirresíduos, que resseca ainda mais”, ensina Valcinir.

Quer encarar a transição?

A grisalha Elisa Colepicolo, 35, autora do Projeto Gris, dedicado ao assunto, discorda dos especialistas que sugerem recorrer aos tonalizantes para encarar a transformação de maneira menos radical. “É só uma forma de adiar o inevitável”, diz ela, que assumiu os brancos há três anos. “Corre o risco de o cabelo ficar manchado. O ideal é esperar crescer e contar com a ajuda de acessórios para mantê-los no lugar”

O processo, segundo ela, não é fácil. No início, a imagem refletida no espelho lhe rendeu muitas crises. “Mas o resultado depois de um ano e meio me confortou. É libertador não ter mais o compromisso de tingir.” Hoje, ela celebra os fios mais saudáveis longe da química, que prejudica a estrutura capilar, e turbina os cuidados com produtos livres de parabeno, sulfato e silicone. “Sinto que meu fio desintoxicou. Meus cachos voltaram”, comemora.

Leia no UOL: https://estilo.uol.com.br/beleza/noticias/redacao/2017/08/19/revolucao-grisalha-como-tirar-os-cabelos-brancos-do-armario.htm?cmpid=copiaecola

3 anos de Projeto Gris

 

3 anos de Projeto Gris! U-hu!

Se alguém me contasse em julho de 2014 que tudo isso aconteceria porque eu deixei de usar tintura no cabelo eu não acreditaria. Porque eu jamais imaginei que uma atitude tão minha, tão simples, se tornaria algo tão coletivo e tão complexo.

Pra você que ainda não sabe, quando eu completei 32 anos eu decidi parar de tingir o cabelo. Era Copa de 2014, eu estava com o cabelo bem curtinho e achei que era a oportunidade ideal para fazer testes – já que seria bem mais fácil me livrar da tinta com ele crescendo sem ela.

Fiz isso depois de mais de ano de reflexão. Tive medo, muitas dúvidas. Foi quando as buscas por jovens grisalhas na internet me revelou que não existia nada em português sobre o assunto. Achei em inglês e justo a Sarah Harris, a elegante editora de moda da Vogue inglesa nascida no mesmo ano que eu, com uma longa cabeleira gris que nunca recebeu uma gota de tinta. Era o encorajamento que eu precisava.

Poucos dias antes do meu aniversário eu oficializei a decisão lançando o Projeto Gris, e fui registrando o processo pra me ajudar a superar a dificuldade da transição – com o compromisso do blog os dias de “bad hair” e desânimo não me deixavam voltar atrás.

No fim das contas o Projeto Gris acabou sendo mais do que isso. Aos poucos outras mulheres foram chegando por aqui, contando suas histórias, desabafando sobre suas incertezas do antes e durante a transição. E tem sido uma felicidade muito grande poder ajudar de alguma forma mulheres que, como eu, não querem mais a obrigação de fazer algo que não gostam.

TESTE DE FIDELIDADE

Quando eu parei de tingir muita gente me perguntou se eu estava certa disso, se era pra sempre. Sempre disse que não fazia ideia – “pra sempre” é muito tempo. Uma coisa eu entendi logo de cara: tintura permanente não volta mais pro meu cabelo. Mas tonalizantes…

Sabe como é. Eu sempre fui inquieta com cabelo.

Em 2016, no meu aniversário, me deu uma vontade doida de pintar o cabelo de roxo. Tonalizante “fantasia”, o mais fraco que eu encontrei (o extinto Lola Colors, sem usar o fixador), pra sair logo. Só zueira.

Fiz com medo, mas fiz.

Roxa, de Lola Colors

Foi divertido… por 3 dias. Depois disso eu já tava morrendo de saudades do meu gris, forçando a barra pra tirar aquela “intensidade” toda da minha cabeça. Mas era Lola, então em um mês usando shampoo anti-resíduo eu já tinha meu gris de volta.

Acalmei… até março desse ano.

Um dia, no meio de um mês ruim e estressado, ansiosa com tudo, quis mudar alguma coisa. Mas o quê? “Poxa, sempre quis me ver ruiva. Por que não?”. Só que dessa vez fui contra toda minha nerdice, não pesquisei, entrei numa perfumaria e escolhi pela cor que eu vi na embalagem, acreditando no “sai em até 8 lavagens”  do rótulo, sem pensar em mais nada – era um Keraton Banho de Brilho Conhaque. MAIOR-BURRADA-DO-ANO. O ruivo ficou bonito mas em 3 dias, de novo, eu já tava desesperada pra ter meu gris de volta. Mas pergunta se ele saiu? Não teve shampoo anti-resíduo, dekap color, sabão de coco que arrancasse a porcaria do meu cabelo. Entrei em contato com o suporte da Kert que me tratou muito bem mas não tinha solução pra me dar – nunca sequer testaram em quantas lavagens isso sai do cabelo (!). Descobri que a verdade do “sai em até 8 lavagens” é que o tom da foto da embalagem dura até 8 lavagens, depois disso o cabelo fica manchado por um loooooongo tempo. :/

Ruiva, de Keraton Banho de Brilho

O resultado disso? Quase destruí meu cabelo pra ter meu gris de volta.

As lições? Nunca mais passar qualquer coisa no cabelo sem pesquisar.

TENDÊNCIA

Como já falei, em 2014 não existia referência em português sobre jovens grisalhas. Mal existia sobre mulheres (de qualquer idade) que decidiam assumir seus cabelos gris naturais. Talvez por isso fui parar no mídia.

O primeiro jornal a me procurar foi O Fluminense, da região metropolitana do Rio de Janeiro, em 2015. “O Dia“, jornal do Rio, veio na cola – eles sacaram que tinha algo novo no ar… um cheiro de “tendência”.

Nessa época começaram a surgir os primeiros grupos sobre o assunto no Facebook. No “Tenho cabelos brancos, e daí?” eu fiz uma postagem contando minha trajetória pra incentivar outras mulheres a assumirem seu gris. O post rendeu centenas de comentários e curtidas, um artigo no site “Hypeness”, uma matéria no Portal G1 e no site Wotopi do Japão, e um hangout com o canal Conexão Feminista. Em curso tem documentário de pesquisadores da UFF, uma matéria pra um grande portal de internet e um programa de beleza na TV a cabo.

A tendência se confirmou.

PRIMAVERA GRIS

Os grupos do Facebook cresceram, surgiram contas no Instagram, reportagens diversas em jornais e TV. O gris veio pra ficar.

Pelas ruas tenho visto muitas gris (oba!), cada vez mais. A estranheza que eu causava quando passava tem sido substituída por elogios. As perguntas do tipo “é de salão ou é seu?” estão perdendo espaço para elogios aos meus cachos, de tão natural que o gris está ficando.

Mas não se engane: a “primavera” ainda está em curso. Muita gente ainda tem restrição, muitas pessoas ainda torcem o nariz, muitas empresas ainda não aceitam suas funcionárias gris. Ser gris ainda é um “ato de rebeldia”.

Gris e de Pinching

NOVES FORA

Minhas considerações desses 3 anos:

1) Referência é importante. Quanto eu comecei minhas pesquisas eu me achava meio maluca – mal tinha completado 30 anos e queria jogar tudo pro alto e assumir meu cabelo gris. Não conhecia nenhuma mulher da minha idade grisalha e isso me deixava “deslocada”. Quando eu descobri a Sarah Harris parei de me sentir maluca e passei a ter uma referência. E esse foi um dos motivos da existência do Projeto Gris, dar a mão pra outras mulheres sentirem que não estão sozinhas.

2) A pressão é forte. Não parece, mas é. Às vezes nem é direta, nem sempre alguém fala “Por que você não tinge o cabelo?”. Mas tem os comerciais, as revistas, os filmes, as prateleiras, o dia-a-dia. Tem o que a gente se acostuma a achar “normal”. E pra estar “fora do normal” tem que ter peito.

3) A decisão é só sua. Talvez sua família torça o nariz se você disser que pensa em virar gris. Talvez teus amigos riam da sua ideia. Talvez as pessoas te desencorajem. Mas ninguém sabe como é pra você, ninguém vive o que você vive. Então é uma questão de prioridades – quando a prioridade deixa de ser os outros para ser você aí sim é possível tomar a decisão de parar de tingir.

3) Por mais que o gris já esteja “aceito” pelo seu cérebro, a coloração vai te tentar. Isso é normal. Um colorista me disse outro dia: “os homens ficam ansioso e vão beber ou gastar dinheiro com bobagem, as mulheres mudam o cabelo”. Eu já tive cabelos de várias cores e cortes, não seria agora que eu não sentiria impulsos de mudar. A questão é como “brincar de cor” sem manchar o cabelo.

4) É libertador. Muito. Não me sentir obrigada a ter o cabelo que não é meu, não me preocupar se “a raiz crescida está aparecendo”, não ficar entupindo meu cabelo de creme para compensar os estragos da tintura. Apenas cuidar do cabelo como deveria ser: deixá-lo saudável (e consequentemente bonito).

5) É lindo! <3

Ou seja, 3 anos e muitas histórias depois, tenho cada vez mais certeza da escolha que fiz – e sou muito feliz por isso. :)

PS:  Não, eu não esqueci da data, mas como estou num momento correria da vida, lançando junto com meu marido o PINCHING (uma joia de nariz não perfurante que você deve ter visto em algumas das fotos do post) pela loja virtual que construímos <www.diio.com.br>, então acabei empurrando para depois. Mas eis aqui!

Colorações: pintando e retirando

Já vai fazer 3 anos que eu parei de tingir o cabelo. E lembro que um mês antes de eu decidir parar eu tentei tonalizar meu cabelo com henna. Foi um desastre, claro. Meu cabelo estava com tintura permanente e eu joguei um tonalizante que desbotou logo mas só saiu com corte, mais de um ano depois.

Então achei que faltava explicar pra quem ainda não sabe – e está no processo de assumir os gris – como funciona cada tipo de coloração e a possibilidade de remoção.

1 – Tinturas Permanentes

(ex: Imedia da L’Oreal, Nutrisse da Garnier, Majirel da L’Oreal, Koleston da Wella, Beauty Color, etc)

Tinturas geralmente são formadas por um kit com 2 ou 3 produtos para serem misturados: um pigmento com metais pesados (arsênio, chumbo, cádmio e outros), um revelador com amônia (às vezes água oxigenda) e um hidratante que pode ser adicionado na mistura ou aplicado após a lavagem. Você mistura os ingredientes, aplica nos fios, aguarda pelo menos 30 minutos e depois enxagua.

Elas possuem cores vivas e desbotam pouco com a lavagem. Isso porque elas trabalham na parte de dentro dos fios de cabelo, onde o shampoo não chega, trocando a cor original do fio pelo pigmento. Por ser um procedimento agressivo não é aconselhada para cabelos muito finos, não reage bem com outros processos químicos, tende a ressecar o cabelo e mudar sua estrutura (os cabelos muitas vezes “perdem a forma natural”). Por isso também são tão difíceis de remover – se você tingir e se arrepender vai ter que usar produtos pesados de decapagem (Efaçor ou Dekap Color) para retirar UM POUCO da coloração ou apelar para o descolorante – o que geralmente danifica demais o cabelo. Para quem quer abandonar a tintura de vez, dependendo da quantidade de vezes que você já cobriu seus fios com esse tipo de coloração (geralmente anos de uso), a única solução é mesmo o corte.

2 – Tonalizantes Semi-Permanentes

(ex: Casting Creme Gloss da L’Oreal, Soft Color da Wella, Maxton da Embelleze, Color Touch da Wella, etc)

Tonalizantes semi-permanentes geralmente são formados por um kit com 2 ou 3 produtos para serem misturados: um pigmento com metais pesados ou não (arsênio, chumbo, cádmio e outros), um fixador sem amônia e um hidratante que pode ser adicionado na mistura ou aplicado após a lavagem. Você mistura os ingredientes, aplica nos fios, aguarda pelo menos 30 minutos e depois enxagua.

As cores são mais “nuances” e desbotam de forma progressiva com a lavagem. Isso porque eles trabalham na parte de fora dos fios de cabelo, onde o shampoo chega, fazendo uma “capa” no fio com pigmento. Pode ser usado em cabelos muito finos, reage bem com grande parte dos processos químicos, pode ressecar um pouco o cabelo mas não muda sua estrutura. Por ter um fixador tende a impregnar no cabelo deixando a retirada bem difícil, levando muitos meses para sair completamente – se sair.  Se você tonalizar e se arrepender não adianta fazer decapagem (Efaçor ou Dekap Color) uma vez que neste caso o pigmento não está dentro do fio, onde esses produtos fazem efeito. O que funciona é lavar muito o cabelo com shampoo anti-resíduos ou sabão de coco para retirar gradativamente a coloração (o que geralmente danifica demais o cabelo), ou apelar para nova tonalização e, em último caso, descoloração. Para quem quer abandonar a tintura de vez, dependendo da quantidade de vezes que você já cobriu seus fios com esse tipo de coloração, tem que ter paciência para esperar sair com as lavagens – só que até sair completamente seu cabelo já vai ter se renovado todo.

3 – Tonalizantes temporários ou fantasia

(ex: C-Kamura Color Intense, Keraton Banho de Brilho, Color Touch da Wella (também pode ser usado com revelador), Jeans Colors, máscaras matizadoras Lola, Dedicace da L’Oreal, Henna da Surya)

Tonalizantes temporários ou fantasia (como são chamados os coloridos) geralmente são formados por apenas 1 produto: um pigmento com metais pesados ou não (arsênio, chumbo, cádmio e outros) para ser aplicado nos fios secos ou úmidos, aguardar pelo menos 5 minutos e depois enxaguar.

As cores são apenas “brilhos” e desbotam mais rapidamente com a lavagem do que o tonalizante semi-permanente. Isso porque eles trabalham na parte de fora dos fios de cabelo, onde o shampoo chega, fazendo uma “capa” no fio com pigmento. Pode ser usado em cabelos muito finos, reage bem com todos os processos químicos, dificilmente ressecam o cabelo e não mudam sua estrutura. Por não ter fixador perde a cor original com poucas lavagens, levando alguns meses para sair completamente – mas dependendo do seu cabelo pode não sair (henna, por exemplo, não sai).  Se você tonalizar e se arrepender não adianta fazer decapagem (Efaçor ou Dekap Color) uma vez que neste caso o pigmento não está dentro do fio, onde esses produtos fazem efeito. O que funciona é lavar muito o cabelo com shampoo anti-resíduos ou sabão de coco para retirar gradativamente a coloração (o que geralmente danifica demais o cabelo), ou apelar para nova tonalização e, em último caso, descoloração. Para quem quer abandonar a tintura de vez tem que ter paciência para esperar sair com as lavagens, mas saiba que seu cabelo pode ficar manchado por um bom tempo.

RESUMINDO

  • Tinturas cobrem bem os brancos mas mexem na estrutura dos fios e NÃO SAEM. Desbotam com decapagem.
  • Tonalizantes semi-permanentes cobrem de forma mediana os cabelos brancos, não mexem na estrutura dos fios, demoram muito para sair e podem até NÃO SAIR MAIS. Decapagem não funciona, shampoo anti-resíduos sim.
  • Tonalizantes temporários cobrem os cabelos brancos por tempo muito reduzido, não mexem na estrutura dos fios, tendem a sair em alguns meses, podem manchar o cabelo e até NÃO SAIR MAIS. Decapagem não funciona, shampoo anti-resíduos sim.
  • O que influencia muito o resultado da aplicação ou da retirada da coloração do cabelo é a saúde e o tipo dos fios:
    • Fios finos tendem a reagir mal a qualquer tipo de química, já que quando perdem massa ou hidratação se quebram logo e ficam espigados.
    • Fios brancos são literalmente telas em branco, então tendem a “chupar” a química com intensidade, deixando a remoção bem mais difícil.

Meu conselho:

Procure processos que não usem ou usem o mínimo possível de metais pesados (cádmio, chumbo, arsênio, etc), derivados de minerais (petróleo ou petrolatos, silicones, parafina, etc), sulfatos (sais agressivos), amônia  e água oxigenada.

Quanto mais processos químicos você fizer sobre seus fios, mais danificados eles vão ficando. Vão desidratar, depois perder a forma, então perderão massa ficando quebradiços até espigar e ficar com aquela aparência de bruxa – pensa bem, não vale a pena.

Quer colorir? Se informe sobre o produto que você está usando e trate bem seu cabelo antes e depois. Produtos mais saudáveis são ligeiramente mais caros mas te poupam a grana da hidratação/cauterização/reconstrução constante no salão.

Quer parar de colorir? Tenha paciência, aposte na maquiagem para cabelos enquanto a raiz cresce e tire os resquícios com a tesoura.

Lembre-se: o que você passar vai ficar. ;)

O gris da Andréia Mariano

Este blog Projeto Gris começou pra contar o meu processo de assumir meus cabelos grisalhos porque eu não encontrava nada em português sobre mulheres jovens gris. Era o meu processo, mas ao longo do tempo muitas outras mulheres vieram aqui nos comentários contar suas histórias – e eu adorei!

Sempre falo: “Contem mais! Compartilha com todo mundo aqui!”

E a Andréia Mariano topou contar o processo dela! Valeu, Andreia! :D

Se você quiser contar o seu processo também é só me mandar um email: pralili@gmail.com .

O gris da Andreia Mariano

“Comecei a perceber os primeiros fios de cabelos brancos aos 15 anos, minhas amigas na escola olhavam e sempre queriam arrancar. Nessa época eu devia ter uns 5 fios brancos, com o tempo foi aumentando e não me importava muito, mas as pessoas sempre diziam “você está ficando velha” , “devia tingir o cabelo” ou “vai ficar com cara de velha”. Engraçado como as pessoas sempre associam cabelos brancos á velhice.

Aos 20 anos já tinha bastante e comecei a tingir. No começo até achava divertido, era interessante mudar a cor, algumas vezes pintava de castanho, em outras usava uns tons mais avermelhados, ficava trocando de cor, mas depois de algum tempo os fios começaram a ficar estragados por causa da tinta.

Crescia muito rápido e ás vezes em menos de 15 dias já precisava tingir de novo, tentei usar henna por um tempo por ser considerada uma tinta natural, mas desbotava muito fácil e além disso, pelo que li, contém mais chumbo do que as outras. Nessa época pensei em parar de tingir, mas desisti e comecei a usar tonalizante. O tonalizante não desbotava, mas como passei por cima da henna acabou estragando mais do que a tinta.Depois de algum tempo de tonalizante o cabelo já estava muito danificado. Fui a um cabeleireiro, ele disse que meu cabelo estava muito estragado e que precisava cuidar melhor, falei que pensava em parar de tingir fazia tempo, ele achou que era uma idéia péssima, afinal a cor era castanho escuro e o branco crescendo daria um contraste muito grande. Perguntei sobre técnicas para retirar a tinta, para que não desse esse contraste na hora de deixar crescer, mas ele não recomendou, disse que provavelmente estragaria muito mais e o resultado não seria bom. Ele sugeriu que eu fizesse luzes e mais pra frente ficasse totalmente loira, então ignorei essa idéia, afinal isso seria totalmente o oposto do que buscava, queria deixar natural, se fizesse luzes, ficaria ainda mais ressecado e precisando retocar sempre!!!  Saí de lá e decidi que não iria mais tingir, deixaria crescer e pronto. Queria ter meu cabelo natural!

O cabelo foi crescendo, algumas pessoas criticaram, outras apoiaram, muita gente dizia que eu ficaria com cara de velha. Mas não me importava se as outras pessoas iriam gostar ou não. O que importava de verdade era meu cabelo natural. Claro que ás vezes dava um pouco de insegurança, mas decidi que não daria ouvidos ao que falavam. Quando o cabelo cresceu, eu estava gostando bastante e algumas pessoas começaram a achar interessante também. Um dia me mostraram a Sarah Harris e a Isabel Marant com os cabelos brancos naturais e elas estavam lindas!!! Foi pra me incentivar mesmo, porque a essa altura muita gente já não queria mais que eu desistisse dos brancos. Acho que a gente tem que ser do jeito que quiser! Eu estava gostando e isso que importava.

Agora está mais comum deixar os cabelos naturais, tingir de branco, platinar, mas quando parei de tingir não era tão comum ainda (parei no final de 2013, com 28 anos).

Hoje gosto como está e o engraçado é que virou moda tingir o cabelo de branco, então as pessoas sempre me perguntam como consegui essa cor (quase nunca pensam que é natural rsrsrs). Algumas pessoas também perguntam se não vou tingir nunca mais… acho isso muito radical, se eu tiver vontade de tingir de novo eu vou tingir. Mas por enquanto gosto assim.

Bjsss
Andréia”

Vão ter jovens gris sim!

Medo pra quê?

Eu demorei quase um ano pra decidir parar de tingir o cabelo.

Toda vez que eu pensava no assunto eu sentia medo. Medo mesmo, físico. Aquele frio na barriga de quem vai fazer algo errado. Me olhava no espelho, a raiz branca crescendo no cabelo tingido de castanho escuro, e sofria de uma ansiedade louca. Queria largar a tinta mas morria de medo.

A pergunta que um dia me fiz foi: MEDO DE QUÊ?

Encara esse medo, mulher! :D

Encara esse medo, mulher! :D

Nem eu sabia. Era um medo tão intrincado, tão aprofundado, tão inconsciente, que ele se manifestava sem nem passar pelo meu racional. Era do fundo da alma pro meio da barriga, sem nem passar pelo cérebro. Eu então comecei a refletir mais sobre ele, sobre o que as pessoas falavam, sobre os comentários que eu ouvia toda vez que eu jogava no ar quase como brincadeira que se eu pudesse pararia de tingir o cabelo. E percebi que é feita uma “lobotomia” nas mulheres pra que elas não queiram envelhecer. Claro que os homens também não querem envelhecer, mas para eles a idade está mais ligada ao amadurecimento do que à velhice. Já para as mulheres não: se você envelhece você perdeu, deu errado, desleixou.

Essa lobotomia é feita na menina que é elogiada por ser novinha. Na adolescente que é enaltecida porque está na flor da juventude. Através das revistas de adolescentes que só mostram mulheres também adolescentes e nunca tratam com naturalidade do envelhecer, fazendo as mães-tias-avós parecerem extraterrestres. E piora muito com as revistas para mulheres adultas que vendem “fórmulas mágicas” para ficar jovem sempre, veladamente condenando a idade; vendem todo tipo de produto e ideia com modelos magras, brancas e adolescentes, com fotos muito bem tiradas e tratadas, dando a entender que só é digna de beleza quem é daquele jeito; e, claro, impõem cabelos incríveis que custam horas de preparo das modelos e hair stylists como se fossem a coisa mais acordei-assim do mundo. Através da televisão, com mulheres sempre “jovens”, mesmo que à base de muitas plásticas e tintura.

Só uma observação: há alguns anos rolou um papo que a Globo estava com dificuldade de escalar atrizes para papéis de avós em suas obras pois todas as atrizes com idades para serem avós estavam lotadas botox e plásticas, todas tentando esticar suas juventudes até o final da corda. Não sei se foi verdade, mas se você prestar atenção, quantas atrizes consagradas se dão a liberdade da Cássia Kis Magro e da Vera Holtz de aceitar a pele e os cabelos naturais e poderem aceitar todo tipo de personagem que sua idade lhes presenteia?

Voltando. Me dei conta que tinha medo e não sabia de quê. E quando me dei conta que o medo era “de envelhecer” percebi que era um mega paradoxo, já que eu era nova – e mais, que eu não tinha medo de envelhecer.

Sempre acreditei que a gente é o que a gente vive. Todas as pessoas que passam pela nossa vida, todos os momentos (bons e ruins) que vivemos, todos os lugares que conhecemos – isso forma o que somos. Então se você não envelhece você não viveu. Se você não consegue assumir quem você é de verdade, naturalmente, você precisa cuidar de sua auto-estima. Porque todo mundo envelhece. TODO MUNDO. Inclusive você. E fique feliz por isso porque a outra alternativa ao envelhecimento é a morte.

Então no dia que me dei conta que eu estava refém de um “padrão social impossível”, que eu estava com medo de algo que conscientemente eu não tinha medo, e que eu poderia apenas tentar um novo visual (sem compromisso, sem gravidade), eu acalmei e o medo baixou.

Confesso que o medo não passou de uma vez só. É tudo muito profundo pra ser superado assim de uma hora pra outra. Não existe mágica. É uma desconstrução diária – afinal foi uma construção diária, durante anos. E os tijolinhos ainda estão dentro de mim, ainda me pego muitas vezes me comparando com modelos irreais, me cobrando por não ser perfeita como me mandam ser. Mas sei que já desconstruí muito.

O importante disso é que essa liberdade traz muita felicidade. Sério. Se livrar do medo é uma delícia! Saber quem se é, do que gosta de verdade, ver outras cores, outras formas, outros estilos. Tentar coisas novas. Procurar o que te faz feliz!

Então eu te pergunto e você me responde: medo pra quê? ;)